Video novo no canal! Review da Edwin Jagger DE89

Fala, pessoal.

Mais uma vez por aqui com um novo vídeo. Desta fez faço uma análise do meu primeiro barbeador, a Edwin Jagger DE89.

Espero que curtam!

Clique no link e receba nossas atualizações !!!
Subscribe to BarbeandoCast by Email

 

Ouçam nosso podcast

http://barbeandocast.podomatic.com/rss2.xml

Vídeo novo no canal! ” O barbear tradicional”

Fala, galera!

Kell na área novamente. Dessa vez vos trago o primeiro vídeo de conteúdo do nosso canal.

Aqui comento um pouco sobre o que é o barbear tradicional.

Assistam, inscrevam-se no canal e compartilhem o vídeo. Vamos difundir o hobby!

Abraço!

Review/Análise – Matador Toro Mastiff

Resenha\review do barbeador Matador

Fala, galera! Kell na área novamente!

Desta vez, trago uma breve análise de um aparelho que eu acredito ser muito pouco conhecido. Trata-se da Matador Toro Mastiff.

Esse foi meu segundo barbeador. Eu o ganhei em um PIF (pass it forward) do fórum Barbear Tradicional Brasil. Em virtude de ter sido um presente, e de ser um barbeador já usado, algumas coisas irão faltar, como imagens da embalagem original, por exemplo.

Parte da análise terá uma comparação com meu primeiro barbeador, a Edwin Jagger DE89, sobre a qual já escrevi e recomendo a leitura. Clique aqui para ler.

Primeiro uma foto do aparelho. Este exemplar é da versão Gold, tem a versão cromada também, e versões Corto e Largo, que eu acredito que deva se referir ao tamanho.

O único site, na época, que tinha à venda, que eu me lembre, era o Razor Blades and More.

A Matador é um aparelho de 3 peças (ou 4, depende do ponto de vista). A construção é bem robusta, não passa a menor impressão de fragilidade. O acabamento é um ponto em que a avaliação fica um pouco prejudicada pelo fato de ser um aparelho já usado, e eu não faço ideia de por quanto tempo foi usado antes de eu recebê-lo, então não tenho como descrever o acabamento de uma peça dessas nova. Entretanto, a julgar pelo bom estado do meu aparelho, imagino que deva ser um bom acabamento; talvez não chegue no nível de uma Edwin Jagger, mas com certeza é um aparelho bem feito.

Sobre a origem, tudo o que consegui garimpar em fóruns gringos foram informações de que ela seria fabricada na Índia. Alguns usuários chegaram a afirmar que seria praticamente a mesma coisa de alguns modelos de outras marcas (RazoRock, Cadet, Pearl, etc.). Como não conheço muita coisa a respeito, não sei o que dizer…

Aqui o que eu falei sobre ser 4 peças dependendo do ponto de vista. O cabo tem uma parte rosqueável no fundo que, ao ser retirada, deixa o aparelho mais curto e mais leve. Achei legal ter as duas opções de uso.

Sobre o tamanho, Não cheguei a medir o meu aparelho   , mas de acordo com o site que o vende, tem cerca de 4 polegadas.

Tamanho comparado à minha Edwin Jagger DE89 Barley.

O peso é mostrado nas imagens a seguir.

Completa.

Sem a parte inferior do cabo.

O barbeador tem uma boa maneabilidade.  O peso é um pouco mais distribuído para o cabo, mas nada que a torne desbalanceada ou prejudique o uso. Aliás, o cabo é um show à parte. Ótimo peso, bem “maciço”, tem um recartilhado que ajuda no grip e ainda o lance do fundo removível para deixar o aparelho mais curto e mais leve, caso queira. Fora isso, é um cabo bem bonito.

Falando da agressividade do aparelho, farei algumas comparações em relação à EJ DE89. Bem, de acordo com o que li em fóruns gringos, os relatos são de que a Matador Toro Mastiff estaria, no quesito agressividade, em algum lugar entre a EJ DE89 e uma Muhle R41.

O cabeçal é closed comb, mas é perceptivelmente mais agressivo do que a EJ. De acordo com o ranking de agressividade elaborado no fórum Badger & Blade, na escala 0 a 10, a Matador Toro Mastiff está em 4,5; a EJ DE89 em 2,5 e a Muhle R41 lá no topo (9,5 para a versão 2013 e 10 para a versão 2011).

Para ver a tabela mencionada, clique aqui. (Tabela não elaborada por nós do blog. Todos os créditos ao pessoal do fórum Badger and Blade).

O nível maior de agressividade em relação à EJ é bem perceptível, então eu fui comparar o cabeçal de ambas. Não sei se vai dar pra perceber na foto, mas o espaço entre a lâmina e a barra de segurança é bem maior na Matador (à esquerda).

Quanto ao uso, no começo eu tive um pouco de dificuldade. Minha impressão inicial é de que não é um aparelho tão intuitivo quanto a EJ. Demorei um pouco mais pra achar o ângulo correto, se colocar alguma pressão dá pra sentir bem a lâmina no rosto, então tem que ter um pouco mais de cuidado. Testei com a lâmina Astra SP, que rendeu um bom barbear. Também usei com uma Laser Super Platinum e o barbear foi excelente, um dos melhores que já tive no início de carreira de wetshaver. Com a Feather a coisa já não foi lá tão boa assim. Ainda cabem muitos testes e ainda tenho um monte de marcas de lâminas pra testar até achar a melhor combinação.

Eu gostei demais desse aparelho. O nível de agressividade um pouco maior me permitiu barbeares com algum esforço a menos em comparação com a EJ. Não sei se recomendaria como uma primeira safety razor, visto que é bem pesada e o ângulo é um pouco menos intuitivo. Para uma primeira máquina a Edwin Jagger me parece ser uma escolha bem mais acertada.

Enfim, é isso. Espero que tenham curtido.

Até a próxima!

 Clique no link e receba nossas atualizações
Subscribe to BarbeandoCast by Email

Barbeador Edwin Jagger DE89 Barley – análise

Fala, galera! Kell novamente.

Nesse post vou tecer uma breve análise do barbeador Edwin Jagger DE89 Barley. Até onde eu sei, os cabeçais dessa marca (ou pelo menos a grande maioria deles) são iguais, variando os cabos de modelo pra modelo. No site onde comprei (Shaving ie) ela estava custando, na época, cerca de 20 euros. No conjunto com um pincel Semogue 1800 mais o valor do frete, saiu tudo por cerca de 140-150 reais e, devo dizer, foi um ótimo negócio.

Agora ao barbeador em si. Esta máquina faz parte do trio de barbeadores mais recomendados para iniciantes, que contém ainda a Muhle R89 e a Merkur 34c (ou HD). Estes costumam estar sempre entre os mais recomendados nos fóruns e blogs, pra quem deseja iniciar neste hobby. E não é à toa. Levando em conta a DE89, devo dizer que é um aparelho bem tranquilo de se usar, fácil de achar o ângulo de uso, e bem permissivo quanto aos erros da mão, permitindo que um novato como eu tenha uma boa adaptação.

Vamos às impressões. O aparelho vem em uma caixinha preta da Edwin Jagger, de papel cartão, eu acho. Veio muito bem acondicionado, acompanhada de um folheto com a apresentação dos demais produtos da empresa. Não lembro se tinha isto descrito no site onde comprei, mas, acompanhando o aparelho veio uma caixinha com 5 lâminas Feather.

Os barbeadores da Edwin Jagger são famosos nos fóruns pela sua boa construção e acabamento. Mas, sinceramente, não achei que seria tanto. O acabamento é impecável. Todas as partes do aparelho são cromadas, inclusive as que não ficam visíveis durante o barbear; não notei nenhuma falha de acabamento.

Sobre o tamanho, não cheguei a medi-lo, nem achei as dimensões no site da empresa. O que vou colar aqui são informações que achei na internet.

Overall length: 95 mm
Cutting head width: 42 mm
Cutting head depth: 25 mm
Handle diameter: 12.5 mm
Knob diameter: 12.5 mm

O peso aferido na minha balança culinária foi de 78g.

A pegada do barbeador é ótima. Ele tem uma espécie de recartilhado no cabo, não muito profundo. Não escorrega com as mãos molhadas. Sobre o balanço, o peso tende a ser um pouco mais para o lado do cabeçal. De modo geral, a manuseabilidade é ótima, permitindo barbear sem colocar absolutamente nenhuma pressão.

Seu cabeçal é closed comb (pente fechado) que, por tudo o que li, era o mais indicado para iniciantes. Escolha acertada. Para falar sobre a agressividade, reporto-me ao aparelho que vinha usando antes da DE89 chegar, um chinês comprado por 5 reais na feira. Este último era extremamente agressivo. Quase toda vez me cortava e toda vez acabava com uma irritação monstra no pescoço. Dito isto, a EJ De89 é muito mais suave. Tive um excelente barbear com 3 passadas + retoques. Só me cortei porque exagerei passando na região do bigode múltiplas vezes sem espuma. Pelo nível de suavidade do aparelho, acredito que seja bem aplicável a uma frequência diária de uso.

Como já mencionado, não precisa nenhuma pressão. O peso do cabeçal junto com o aparelho faz o serviço. Corta de maneira suave e confortável, desde que se mantenha o cuidado de não pressionar. Também é bastante fácil de achar o ângulo adequado.

Para encerrar, como já disse em um post anterior (Crônicas de um iniciante), não vale a pena você querer economizar demais e comprar um barbeador chinês meia boca, porque vai trazer resultados ruins. O barbeador é talvez o item mais importante do barbear tradicional, então vale a pena gastar um pouco a mais nele. E se parar pra pensar, acabou saindo por cerca de 80 reais no máximo (escapei da Receita), então a relação de custo e benefício foi excelente.

Talvez ao longo do tempo você, caro leitor, perceba que precisa de algo mais agressivo, ou queira comprar mais aparelhos pra testar e tudo mais, mas, pela qualidade do produto, pode até ser que você consiga ficar só com ele e ser bem feliz!

Abraço, e até a próxima!!

 Clique no link e receba nossas atualizações
Subscribe to BarbeandoCast by Email