Review/Análise – Matador Toro Mastiff

Resenha\review do barbeador Matador

Fala, galera! Kell na área novamente!

Desta vez, trago uma breve análise de um aparelho que eu acredito ser muito pouco conhecido. Trata-se da Matador Toro Mastiff.

Esse foi meu segundo barbeador. Eu o ganhei em um PIF (pass it forward) do fórum Barbear Tradicional Brasil. Em virtude de ter sido um presente, e de ser um barbeador já usado, algumas coisas irão faltar, como imagens da embalagem original, por exemplo.

Parte da análise terá uma comparação com meu primeiro barbeador, a Edwin Jagger DE89, sobre a qual já escrevi e recomendo a leitura. Clique aqui para ler.

Primeiro uma foto do aparelho. Este exemplar é da versão Gold, tem a versão cromada também, e versões Corto e Largo, que eu acredito que deva se referir ao tamanho.

O único site, na época, que tinha à venda, que eu me lembre, era o Razor Blades and More.

A Matador é um aparelho de 3 peças (ou 4, depende do ponto de vista). A construção é bem robusta, não passa a menor impressão de fragilidade. O acabamento é um ponto em que a avaliação fica um pouco prejudicada pelo fato de ser um aparelho já usado, e eu não faço ideia de por quanto tempo foi usado antes de eu recebê-lo, então não tenho como descrever o acabamento de uma peça dessas nova. Entretanto, a julgar pelo bom estado do meu aparelho, imagino que deva ser um bom acabamento; talvez não chegue no nível de uma Edwin Jagger, mas com certeza é um aparelho bem feito.

Sobre a origem, tudo o que consegui garimpar em fóruns gringos foram informações de que ela seria fabricada na Índia. Alguns usuários chegaram a afirmar que seria praticamente a mesma coisa de alguns modelos de outras marcas (RazoRock, Cadet, Pearl, etc.). Como não conheço muita coisa a respeito, não sei o que dizer…

Aqui o que eu falei sobre ser 4 peças dependendo do ponto de vista. O cabo tem uma parte rosqueável no fundo que, ao ser retirada, deixa o aparelho mais curto e mais leve. Achei legal ter as duas opções de uso.

Sobre o tamanho, Não cheguei a medir o meu aparelho   , mas de acordo com o site que o vende, tem cerca de 4 polegadas.

Tamanho comparado à minha Edwin Jagger DE89 Barley.

O peso é mostrado nas imagens a seguir.

Completa.

Sem a parte inferior do cabo.

O barbeador tem uma boa maneabilidade.  O peso é um pouco mais distribuído para o cabo, mas nada que a torne desbalanceada ou prejudique o uso. Aliás, o cabo é um show à parte. Ótimo peso, bem “maciço”, tem um recartilhado que ajuda no grip e ainda o lance do fundo removível para deixar o aparelho mais curto e mais leve, caso queira. Fora isso, é um cabo bem bonito.

Falando da agressividade do aparelho, farei algumas comparações em relação à EJ DE89. Bem, de acordo com o que li em fóruns gringos, os relatos são de que a Matador Toro Mastiff estaria, no quesito agressividade, em algum lugar entre a EJ DE89 e uma Muhle R41.

O cabeçal é closed comb, mas é perceptivelmente mais agressivo do que a EJ. De acordo com o ranking de agressividade elaborado no fórum Badger & Blade, na escala 0 a 10, a Matador Toro Mastiff está em 4,5; a EJ DE89 em 2,5 e a Muhle R41 lá no topo (9,5 para a versão 2013 e 10 para a versão 2011).

Para ver a tabela mencionada, clique aqui. (Tabela não elaborada por nós do blog. Todos os créditos ao pessoal do fórum Badger and Blade).

O nível maior de agressividade em relação à EJ é bem perceptível, então eu fui comparar o cabeçal de ambas. Não sei se vai dar pra perceber na foto, mas o espaço entre a lâmina e a barra de segurança é bem maior na Matador (à esquerda).

Quanto ao uso, no começo eu tive um pouco de dificuldade. Minha impressão inicial é de que não é um aparelho tão intuitivo quanto a EJ. Demorei um pouco mais pra achar o ângulo correto, se colocar alguma pressão dá pra sentir bem a lâmina no rosto, então tem que ter um pouco mais de cuidado. Testei com a lâmina Astra SP, que rendeu um bom barbear. Também usei com uma Laser Super Platinum e o barbear foi excelente, um dos melhores que já tive no início de carreira de wetshaver. Com a Feather a coisa já não foi lá tão boa assim. Ainda cabem muitos testes e ainda tenho um monte de marcas de lâminas pra testar até achar a melhor combinação.

Eu gostei demais desse aparelho. O nível de agressividade um pouco maior me permitiu barbeares com algum esforço a menos em comparação com a EJ. Não sei se recomendaria como uma primeira safety razor, visto que é bem pesada e o ângulo é um pouco menos intuitivo. Para uma primeira máquina a Edwin Jagger me parece ser uma escolha bem mais acertada.

Enfim, é isso. Espero que tenham curtido.

Até a próxima!

 Clique no link e receba nossas atualizações
Subscribe to BarbeandoCast by Email

9 comentários em “Review/Análise – Matador Toro Mastiff”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s